Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Lista de Contos de Fonjic
 Arquivo de contos de Fonjic
 Tripas
 Texto Livre
 Spectro Editora
 Bukowski
 John Fante
 Sig Schaitel - tradutor do Bukowski
 Ciberarte
 Atire no Dramaturgo
 Espelunca
 Casa dos espelhos
 Mais livros do Bukowski
 Vulva Museum
 Proselitismo Ateu


XML/RSS Feed

Histórico
 26/08/2012 a 01/09/2012
 28/02/2010 a 06/03/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 25/10/2009 a 31/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 09/08/2009 a 15/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 19/07/2009 a 25/07/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 28/06/2009 a 04/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 31/05/2009 a 06/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 12/11/2006 a 18/11/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 09/10/2005 a 15/10/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 21/11/2004 a 27/11/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 05/09/2004 a 11/09/2004
 29/08/2004 a 04/09/2004
 22/08/2004 a 28/08/2004
 08/08/2004 a 14/08/2004
 01/08/2004 a 07/08/2004
 25/07/2004 a 31/07/2004
 18/07/2004 a 24/07/2004
 11/07/2004 a 17/07/2004
 04/07/2004 a 10/07/2004
 27/06/2004 a 03/07/2004
 20/06/2004 a 26/06/2004
 13/06/2004 a 19/06/2004
 06/06/2004 a 12/06/2004
 09/05/2004 a 15/05/2004
 25/04/2004 a 01/05/2004


 
Uretrite: contos de Fonjic
 

novolan -

eu, um pônei, duas bisca, uma baranga e a maneira certa de fuder um poste

        Eu estava num dia estranho, daqueles que não se deve sair de casa. Qualquer coisa é valido, desde que se permaneça trancado em casa. É um daqueles tipos de comportamentos estranhos que só se adquire depois que o consumo de álcool acha um meio termo correto que permite o sujeito viver em moderada alcolidez. Uma espécie de ímpeto sem sentido que te obriga a ficar se movendo de um lugar para outro. E quando você percebe está indo de uma parede à outra, um ambiente ao outro, como se estivesse procurando algo. E você para e grita com sua mente para que ela pare, mas ela continua te exigindo esse vagar a esmo.
        E se você não controla a única saída é botar uma muda de roupa nas costas e sair para ganhar o mundo. Conhecer a vida de amizades fáceis e rapidamente desfeitas. Amizades perpétuas de uma noite só, amores que só duram até a ressaca começar.
        Era um dia estranho e um momento estranho para quem tem quinze anos. A vida no ambiente familiar é peculiarmente sufocante e eu não tinha alternativas que não fossem ganhar a estrada e deixar que o mundo me usasse como a poeira que é soprada sobre as casas.
        Um dia que não se deve sair de casa, como disse.
        Era um domingo, e não havia nada para se fazer, como todos os domingos, desde que os malditos católicos tomaram as rédeas e começaram a cagar regras. Comecei a andar em direção ao nada, passei pelas ruelas marginais da Tindade e segui a rua principal deste triste bairro.
        Cheguei onde inconscientemente meus pés queriam me levar. Uma praça. E na praça tinha uma feira. E na feira tinha umas coisas bizarras, tipo freak horror show. A mulher de três seios até que era gostosinha, mas o resto era desinteressante.
        Tinha um cara charlatão que dava um prêmio para quem conseguisse domar o pônei mais feroz do mundo. Ele cobrava 1 pila por tentativa e dizia que pagava um milhão para quem conseguisse. Realmente era um pônei bizarro. E para completar o velhaco tinha posto espinhos de metal em todo corpo do bicho. Paguei o um pila e topei a parada. Na hora em que o bicho veio, não tive dúvida, subi em cima do bicho e torci pra não morrer com o cú rasgado.
        O bicho regateou, regateou, mas não agüentou meu peso e arregou. Caiu no chão e não se mexia mais. Meu truque suje é que no inverno eu usava uma calça de couro por baixo do jeans para amenizar o frio, e tirando a dor e uns furos na bunda e coxa, consegui me dar bem. O sujeito é, claro, não tinha a grana prometida, e me deixou com o que tinha, uns cem pila e o pônei.
        Duas vadias loiras que assistiam tudo logo se assanharam. Me levaram prum canto e disseram que queriam um ménage à quatre: eu, elas e o pônei.
        Fomos para uma casinha ali perto caindo aos pedaços. Elas eram universitárias e moravam com mais duas amigas. Pediram para as duas amigas saírem e ficamos os quatro a sós. Elas acenderam um baseado e começaram a fumar e se esfregar em mim e no pônei. Eram feias como o diabo, e nem eu nem o pônei estávamos ficando excitados. Me partiu o coração fazer aquilo com o pobre animal, mas eu precisava de uma fuga. O ar intoxicava com uma mistura de maconha, incenso e bosta do pônei, que se aliviara por ali. Eu tentava justificar para mim mesmo que eu não teria o que fazer com o pônei, ainda assim não acho justo o que fiz com ele e tenho pena até hoje. Desafiei as duas bisca a conseguirem juntas botar todo o treco dele na boca, e enquanto estavam ocupadas tentando pulei a janela e me mandei.
        Cheguei no boteco da esquina e comecei a beber todo o dinheiro que ainda estava comigo. Uma certa paz me subiu à mente e aliviou a consciência pelo que eu fizera ao pobre animal. Peguei uma baranga perdida no canto do bar e comecei a pagar-lhe doses de conhaque e lamber-lhe o pescoço. Algumas horas depois eu já tinha conseguido beijar-lhe a boca e lamber um dos mamilos. Ela foi no banheiro e, como demorava, resolvi partir.
        Estava a caminho de casa. Já era noite. Mais uma noite perdida. Encontrei um velho bêbado que costumava dormir na rua e ele se propôs a me ensinar seu segredo contra noites perdidos. E eis que vêm o momento que todos aguardavam: seu segredo consistia num método preciso e engenhoso. Era preciso achar um posto cujos fios fossem conduzidos externamente por canos de PVC. Em seguida tocar nos canos e nos postes para ter certeza de não haver nenhum vazamento de energia. Depois botava-se um papelão entre os canos e o poste parta evitar ralar o pau no cimento, alargava-se um pouco os canos e botava o pau ali. A sensação era boa. Primeiro uma pressão quase insuportável na glande. Em seguida você abraça o poste e começa com uns beijos. A coisa começa a bombar e a dor passa. E quanto mais a coisa bomba, mais ela força os canos, e mais pressão se sente. Logo a coisa chega num ritmo frenético e em cinco minutos você já está cobrindo o poste com sua própria seiva branca.
        Eu me sentia finalmente saciado.
        Tirei o pau, limpei-o num jornal tirado do lixo e sentei-me ao lado do velho para bebericarmos. Aquele velho era realmente um gênio. Fui para casa satisfeito e nunca mais passei por outra noite de necessidades, o bom poste estava lá com suas manchas para saciar meu amor.



 Escrito por Anacreonte às 22h16 [ ] [ envie esta mensagem ]