Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Lista de Contos de Fonjic
 Arquivo de contos de Fonjic
 Tripas
 Texto Livre
 Spectro Editora
 Bukowski
 John Fante
 Sig Schaitel - tradutor do Bukowski
 Ciberarte
 Atire no Dramaturgo
 Espelunca
 Casa dos espelhos
 Mais livros do Bukowski
 Vulva Museum
 Proselitismo Ateu


XML/RSS Feed

Histórico
 26/08/2012 a 01/09/2012
 28/02/2010 a 06/03/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 25/10/2009 a 31/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 09/08/2009 a 15/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 19/07/2009 a 25/07/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 28/06/2009 a 04/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 31/05/2009 a 06/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 12/11/2006 a 18/11/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 09/10/2005 a 15/10/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 21/11/2004 a 27/11/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 05/09/2004 a 11/09/2004
 29/08/2004 a 04/09/2004
 22/08/2004 a 28/08/2004
 08/08/2004 a 14/08/2004
 01/08/2004 a 07/08/2004
 25/07/2004 a 31/07/2004
 18/07/2004 a 24/07/2004
 11/07/2004 a 17/07/2004
 04/07/2004 a 10/07/2004
 27/06/2004 a 03/07/2004
 20/06/2004 a 26/06/2004
 13/06/2004 a 19/06/2004
 06/06/2004 a 12/06/2004
 09/05/2004 a 15/05/2004
 25/04/2004 a 01/05/2004


 
Uretrite: contos de Fonjic
 

A esporroleta da sorte

            É assustador tentar desdobrar em quantos níveis ficcionais se divide uma obra de arte. É como se cada obra possuísse um obra dentro de si, que possui outra, mais outra, mais outra, assim por diante. É preciso partir ao meio essa mamuska infinita para esticá-la numa linha, ou num plano e definir critérios condicionantes do real, e aí apontar num gráfico quais estão suspensos ou rasgados pela obra e quais estão mantidos.

            Um exemplo mais concreto do que eu falo é quando estamos na melhor parte do filme no cinema e o cara da poltrona do lado reclama:

            --- Porra, que merda, o cara nunca que ia conseguir pular 3 metros pra pegar aquela machadinha!

            No entanto, o fato de que o cara está lutando com um monstro alienígena, formado em marte a partir de uma barra de chocolate esquecida lá por astronautas da terra mil anos antes, passa completamente desapercebido. Porra, o cara está lutando contra um monstro alienígena mutante do chocolate e o cara está preocupado com a verossimilhança na distancia do pulo do mocinho. Diabos. E quando você o ofende ele ainda reclama.

            Mas tais fatos são perdoáveis. São parte inseparável de uma obra de arte ocultar ou revelar a seu público quais condicionantes do real estão mantidos e quais foram suspensos. Na verdade a maioria dos filmes ruins faz exatamente isso, guarda uma dessas variáveis para o final para surpreender o telespectador com uma fuga impossível para o herói, que exclama para a mocinha:

            --- Ó querida, veja, este saca-rolhas que você me deu serve também como arma anti-zumbis!

            Mas por pior que seja monstro, zumbi ou vilão que possa aparecer numa história, nada é mais chato do que mala de bar. E em especial um tipo moderno: o pitboy metrossexual.

            Eu tentava me concentrar no balcão do bar em um problema insolúvel quando um desses tipos apareceu. Eu tinha comprado um filtro numa loja, mas o filtro era uma bosta, a água saía amarela. Voltei na loja e troquei por um filtro mais barato e uma torneira de vinte pila. O filtro mais barato funcionou que era uma beleza, mas só depois de rasgar o pacote da torneira eu reparei que não precisaria dela. Como a torneira custava vinte pila e a viagem de ônibus custava três, eu precisava decidir se valia a pena ir ao centro pelo terceiro dia consecutivo, agora para trocar a torneira por outra bugiganga qualquer.

            Sem nenhum respeito pela minha privacidade e necessidade intelectual de solidão para resolver esse dilema, o fulano me abordou. Era quente como o inferno e nem o Bigode, garçom que aliás não tinha nenhum bigode, dava conta de trazer cervejas suficientes. O cara era tão mala que tinha uma camiseta escrita “eu sou macho” em letras garrafais. Não fosse isso viadagem suficiente, ainda era camiseta de moda, da grife de um roqueiro qualquer... que era melhor em tocar metal do que como costureiro de luxo.

            Puta que pariu, nessas horas eu sentia saudades do Frank, criatura lendária que, segundo a tradição, criara no passado o melhor bar do mundo bem aqui nesta cidade. Misto de Ícaro com Prometeu, derreteu as asas de cera ao dar o fogo aos homens e com isso o bar fechou e a humanidade voltou para as trevas.

            Mas enquanto eu devaneava sobre esta lenda o mega-mala já tinha me contado metade de sua vida sexual. O tamanho de sua benga, os remédios que tomava para deixar ela de pé por mais tempo, o número de mulheres que já comera entre uma sífilis e outra e assim por diante. Eu falei pra ele:



 Escrito por Anacreonte às 23h26 [ ] [ envie esta mensagem ]



A esporroleta da sorte (continuação)

            --- Garoto, me escuta, não adianta medir a quantidade, se a quantidade não gerar qualidade. É a primeira lei da dialética, logo antes da interpenetração dos opostos.

            --- Ihhh... sei não, isso ta me cheirando a papo gay. Por acaso você é uma daquelas bichas filosóficas?

            --- Escuta, moleque. Sei que não te ensinaram nada na escola, mas tem certas coisas que um homem tem que aprender. Um amigo meu, por exemplo, é que é sortudo, conseguiu ter a melhor noitada da vida e não comeu ninguém.

            --- Ah, agora você ta me sacaneando, isso é papo gay que eu sei.

            --- Te acalma, xucro, ouve só. O cara descobriu um inferninho em barreiros, nos limites da cidade, que tem a tal da esporroleta.

            --- Esporroleta?? Mas... que é isso?

            --- Saca só, o cara paga mil reais por cada sessão. Ele tem que entregar o dinheiro em espécie pra cafetina e depois é lavado pra uma salinha nos fundos, guardada por dois baita leão-de-chácara. Lá seis garotas de biquíni se trancam com o felizardo, despem o cara e amaram as mãos e pernas dele. Em seguida amaram três tiras grossas de borracha do teto até os pés dele e o erguem de cabeça para baixo. Em seguida esticam-lhe os braços e amarram mais três tiras de borracha até o chão. Sobem todas num nível móvel de forma que o coiso do cara fique na altura exata do nariz delas. Começam a girá-lo, cada vez mais e mais, forçando ao máximo a tensão da borracha. Quando acabam o sujeito já está completamente excitado, não só por ficar vendo elas daquele ângulo, ou sentindo as mãos delas sobre ele, mas também por causa do sangue todo na cabeça. E aí, bem nessa hora, elas soltam. O cara volta girando a toda velocidade, com o pau batendo no nariz de cada uma a uma velocidade altíssima. Quando a borracha se desenrolou toda começa a se enrolar sozinha para o outro lado, até que novamente pára e inverte o giro, voltando novamente para uma seqüência de várias voltas com o monstrengo batendo nas belas napas femininas. O treco repete esse movimento umas cinco vezes e dura no máximo uns três minutos, mas diz que não tem ninguém que não se esporre todo na metade disso, voando porra para todos os lados.

            Dei uma pausa para ver o que o sujeito dizia, mas o silêncio era total. Não só do meu interlocutor, mas também nas mesas em volta, que haviam parado para ouvir. Tenho que me lembrar de não falar tão alto depois que bebo, pensei.

            --- Aí, continuei, acabada a esporroleta, desamarram o cara, as meninas se enxugam com uma tolha, o cara se veste e vai embora contente e o próximo entra. Agora, sabe o que é o melhor de tudo? Segundo esse amigo, o melhor de tudo foi ter pago mil reais por isso.

            --- Não, pêra, lá, isso não faz sentido.

            --- Não é sério.

            --- Porra, se fosse de graça seria bem melhor, não?

            --- Segundo ele não...

            --- Se bem que por mil reais dá uma graça a mais, uma certa exclusividade na coisa... será que é isso?

            --- Não sei, garoto, isso eu vou deixar para você pensar. É seu dever de casa para hoje.

            Levantei, fui até o caixa, paguei a conta e saí, acenando um adeus com a cabeça para as pessoas das mesas que queriam saber mais sobre a esporroleta e o endereço do inferninho.

            Talvez, com um pouco de sorte, eu consiga achar algum amigo que esteja precisando de uma torneira de cozinha, pensei, assim não vou ter o trabalho de continuar me incomodando com isso.

            Seria sorte demais, pensei, e apressei o passo para chegar logo em casa e me aliviar no banheiro.

 



 Escrito por Anacreonte às 23h25 [ ] [ envie esta mensagem ]