Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Lista de Contos de Fonjic
 Arquivo de contos de Fonjic
 Tripas
 Texto Livre
 Spectro Editora
 Bukowski
 John Fante
 Sig Schaitel - tradutor do Bukowski
 Ciberarte
 Atire no Dramaturgo
 Espelunca
 Casa dos espelhos
 Mais livros do Bukowski
 Vulva Museum
 Proselitismo Ateu


XML/RSS Feed

Histórico
 26/08/2012 a 01/09/2012
 28/02/2010 a 06/03/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 25/10/2009 a 31/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 09/08/2009 a 15/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 19/07/2009 a 25/07/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 28/06/2009 a 04/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 31/05/2009 a 06/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 12/11/2006 a 18/11/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 09/10/2005 a 15/10/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 21/11/2004 a 27/11/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 05/09/2004 a 11/09/2004
 29/08/2004 a 04/09/2004
 22/08/2004 a 28/08/2004
 08/08/2004 a 14/08/2004
 01/08/2004 a 07/08/2004
 25/07/2004 a 31/07/2004
 18/07/2004 a 24/07/2004
 11/07/2004 a 17/07/2004
 04/07/2004 a 10/07/2004
 27/06/2004 a 03/07/2004
 20/06/2004 a 26/06/2004
 13/06/2004 a 19/06/2004
 06/06/2004 a 12/06/2004
 09/05/2004 a 15/05/2004
 25/04/2004 a 01/05/2004


 
Uretrite: contos de Fonjic
 

Ascensão e queda da TGT

                                                                                    Fonjic

                                                                              

            Depois de meses de trabalho, finalmente minha magna opus estava pronta. A Teoria Geral de Tudo (TGT), que me tomara a vida inteira de estudos, pesquisas, exaustivas sessões de sexo e cálculos infinitesimais.

            Era algo grandioso de se ver, com a TGT eu conseguia correlacionar tudo com tudo, qualquer coisa com qualquer coisa. Perguntas sobre a relação entre sexo e filosofia, ou entre política e literatura, ou veterinária e logística, tudo podia ser facilmente equacionado com a TGT.

            Eu estava eufórico. Porém a TGT me levara a uma série de teorias, postulados e desdobramentos que exigiam um grande volume de processamento de informações. Uma enorme matriz tudo (todos os elementos referentes ao mundo real) ao quadrado, que correlacionava tudo com tudo, e apontava, no futuro, para o fator de dominância dos elementos uns sobre os outros, que exigiria o processamento de uma matriz de tudo elevado a tudo.

            Eu precisava, portanto, da chancela acadêmico-oficial para que institutos de pesquisa e governos do mundo pudessem canalizar incontáveis somas de dinheiro e recursos para um programa de pesquisa na área.

            Reuni-me com os líderes mundiais e expus a eles minha teoria. Ela era brilhante, explicava qualquer indagação, desde efeito erótico do xampu à correlação entre loteria e placas continentais. A maior empreitada já realizada pela humanidade, e eu havia descoberto tudo.

            Entrei na sala de madeira preta em que os líderes, cinco ao todo, estavam sentados em uma plataforma elevada atrás de uma tribuna, de forma que seus testículos ficassem na mesma altura dos meus olhos, pois, mesmo que a tribuna impedisse o grotesco contato  óculo-testicular, era suficiente para criar uma atmosfera de opressão moral que determinava quem estava no comando.

            Mal comecei a exposição da TGT e mandaram-me que calasse. Eles disseram que não tinham interesse no tudo, que isso não era novidade para eles, e que a humanidade não precisava de uma teoria de tudo. Me senti como numa história de ficção científica barata de disco de rock dos anos 1970. Disseram que sairia muito caro e não havia interesse nisso. Uma teoria dessas acabaria com toda a possibilidade de continuidade no campo das pesquisas, pois já teria explicado tudo. Disseram que era loucura, apesar de sua validação metodológica. O que eles queriam era uma teoria que falassse sobre o nada e sobre os mundos inexistentes do nada.

            Mas tal coisa não existe, protestei, já contendo as lágrimas.

            Exatamente, disseram, por isso mesmo a necessidade de uma teoria sobre elas, para que possam ser criadas em sua inexistência.

            Saí de lá arrasado, abatido, amuado. Por unanimidade a teoria do tudo fora rejeitada, pois não era do interesse da humanidade.

            Parei num buteco, sentei numa mesa de canto e mandei descer, uma após outra, quantas cervejas eu pudesse tomar. Já no fim de noite eu desabafava bêbado com o garçom contando minha tragédia e ele disse: “amigo, o que você precisa é de uma boa buceta”. Consultei rapidamente a cópia da TGT que eu trazia comigo e ele estava certo. Inexplicavelmente eu nem publicara a TGT e suas informações já haviam vazado.



 Escrito por Anacreonte às 22h23 [ ] [ envie esta mensagem ]