Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Lista de Contos de Fonjic
 Arquivo de contos de Fonjic
 Tripas
 Texto Livre
 Spectro Editora
 Bukowski
 John Fante
 Sig Schaitel - tradutor do Bukowski
 Ciberarte
 Atire no Dramaturgo
 Espelunca
 Casa dos espelhos
 Mais livros do Bukowski
 Vulva Museum
 Proselitismo Ateu


XML/RSS Feed

Histórico
 26/08/2012 a 01/09/2012
 28/02/2010 a 06/03/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 25/10/2009 a 31/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 09/08/2009 a 15/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 19/07/2009 a 25/07/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 28/06/2009 a 04/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 31/05/2009 a 06/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 12/11/2006 a 18/11/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 09/10/2005 a 15/10/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 21/11/2004 a 27/11/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 05/09/2004 a 11/09/2004
 29/08/2004 a 04/09/2004
 22/08/2004 a 28/08/2004
 08/08/2004 a 14/08/2004
 01/08/2004 a 07/08/2004
 25/07/2004 a 31/07/2004
 18/07/2004 a 24/07/2004
 11/07/2004 a 17/07/2004
 04/07/2004 a 10/07/2004
 27/06/2004 a 03/07/2004
 20/06/2004 a 26/06/2004
 13/06/2004 a 19/06/2004
 06/06/2004 a 12/06/2004
 09/05/2004 a 15/05/2004
 25/04/2004 a 01/05/2004


 
Uretrite: contos de Fonjic
 

Caçadores de humanos

            Eram os anos 90 quando vi surgir em mim certo chamado das selvas. Não sei se foi o cenário político em que acabávamos de tirar do poder um presidente que tentava privatizar e vender tudo que era público ou os livros do comunista subversivo Jack London.

            O fato é que eu passei boa parte da década me metendo onde tivesse ainda alguma mata nativa na região. No Cambirela passamos tardes lendo Augusto dos Anjos e Casto Alves. No Maciambú nos perdemos no meio do mato e ganhamos comida de uma família de índios que nem falava o português. Mas era nas matas desertas do Rio Vermelho e na imensidão isolada da praia de Moçambique que gostávamos mesmo de estar. Aquele cenário de filmes de terror era propício para contarmos histórias macabras à noite, completando com um banho de mar gelado no meio da madrugada, com roupa e tudo, bem na parte onde a correnteza era mais perigosa e as ondas violentas.

            O motivo desse longo prelúdio é que fiquei devendo a vocês a explicação sobre os caçadores de humanos. Quem são eles? O que são? Como vivem? Como agem? Como os descobri e sobrevivi para contar?

            Era madrugada em noite de lua nova, o que quer dizer que aquela mata fica tão escura que não se consegue enxergar a própria mão ao esticar o braço para tatear o caminho. Ainda assim eu e um amigo atravessamos o matagal, sabendo o caminho de memória, e chegamos à praia.

            Lá começamos a gritar, desafiando aquela imensidão de escuridão e areia que é a borda do oceano à noite, nosso insignificante lugar como humanos dentro da vastidão do mundo natural, quando notamos uma forte luz no céu.

            Começamos a gritar e pular na areia. A luz se projetava de um ponto na praia distante uns seis quilômetros. Focaram-nos por uns 10 segundos um imenso e forte holofote. Então a luz desviou novamente para o alto e começou a se deslocar, vindo em nossa direção.

            Corremos para a estrada de terra paralela à praia e os vimos passar: uma enorme caminhonete branca, com muitas armas à bordo e um enorme holofote em cima, que por causa da escuridão parecia se guiar sozinha, sem nenhum ocupante. Ouvimos ruídos inumanos e gritos terríveis mais tarde. Sabíamos, como numa história de Lovecraft, que só poderiam ser criaturas indescritíveis, inomináveis, dotadas de linguajar impronunciável. Era carne humana que procuravam e passamos aquela noite escondidos no meio do mato, sem  arriscar a sorte. E até hoje sei que vasculham por lá na madrugada, ainda tentando nos encontrar...



 Escrito por Fonjic às 13h05 [ ] [ envie esta mensagem ]