Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Lista de Contos de Fonjic
 Arquivo de contos de Fonjic
 Tripas
 Texto Livre
 Spectro Editora
 Bukowski
 John Fante
 Sig Schaitel - tradutor do Bukowski
 Ciberarte
 Atire no Dramaturgo
 Espelunca
 Casa dos espelhos
 Mais livros do Bukowski
 Vulva Museum
 Proselitismo Ateu


XML/RSS Feed

Histórico
 26/08/2012 a 01/09/2012
 28/02/2010 a 06/03/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 25/10/2009 a 31/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 09/08/2009 a 15/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 19/07/2009 a 25/07/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 28/06/2009 a 04/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 31/05/2009 a 06/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 12/11/2006 a 18/11/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 09/10/2005 a 15/10/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 21/11/2004 a 27/11/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 05/09/2004 a 11/09/2004
 29/08/2004 a 04/09/2004
 22/08/2004 a 28/08/2004
 08/08/2004 a 14/08/2004
 01/08/2004 a 07/08/2004
 25/07/2004 a 31/07/2004
 18/07/2004 a 24/07/2004
 11/07/2004 a 17/07/2004
 04/07/2004 a 10/07/2004
 27/06/2004 a 03/07/2004
 20/06/2004 a 26/06/2004
 13/06/2004 a 19/06/2004
 06/06/2004 a 12/06/2004
 09/05/2004 a 15/05/2004
 25/04/2004 a 01/05/2004


 
Uretrite: contos de Fonjic
 

O cubo

            Olhei o cubo cromado em minhas mãos novamente, girando em ângulos que me possibilitassem ver o máximo de faces possível. Havia algo de diferente naquele cubo, mas eu não conseguia precisar o quê. Algo torcido, ou endireitado, ou de alguma forma modificado, sem que se deixasse descobrir.

            Lembro da fascinação que tinha por ele quando criança, correndo para o bolso do meu pai sempre que ele chegava do serviço para olhar aquele cubo. As faces cromadas refletiam meu rosto, a parede e todo o ambiente iluminado da casa conforme eu o girava. Havia uma estranha admiração infantil ali que com os tempos foi diminuindo e sumiu completamente.

            Nunca entendi porque meu pai carregava aquela tralha no bolso. Ele nunca falou nada, se era um talismã, uma necessidade inexplicável ou alguma mania esquisita qualquer. Cromocubofilia. Às vezes, quando o trânsito ficava engarrafado, o que pode custar crer, mas, naquela época, não era sempre, ele tirava o cubo do bolso e começava a girá-lo nos dedos. A gritaria das crianças no banco de trás o deixava tonto e ele gritava de vez em quando por silêncio.

            E o cubo cromado continuava a girar nos dedos, enquanto o trânsito seguia num anda-e-pára terrivelmente lento. Como passei a odiar profundamente aquele cubo.

            Hoje, quando finalmente vi o cubo de novo, nem acreditei que finalmente chegara a hora de jogar aquela velharia fora. Apanhei-o com firme propósito e foi no momento que já o esticava para seu destino que notei a mudança.

            Era algo indecifrável, indescritível. Eu tinha plena convicção de que ele mudara, de que estava diferente, embora também notasse que era ainda aquele mesmo, nunca fora trocado. Estou quase duas horas girando e aguardando e girando e observando e girando e girando e nada. Quanto mais eu olho e percebo este ou aquele detalhe, mais me perco em minha tentativa de elucidar o mistério. Continua brilhante como novo, com suas faces polidas, bem cuidadas, sem nenhum sinal de ferrugem ou desgaste com o tempo. Há alguma profundidade ou largura a mais ali impossível de ser percebida.

            Estou ainda concentrado no cubo quando o funcionário vem e me diz: “o corpo está pronto”. Pode despachar, respondo. “É seu pai?”. Sim, afirmo. Ele me pede para assinar uma pilha de papéis e se vai.

            Eu olho o cubo mais uma vez, tentando identificar o que tão sutil ali se modificara que não parava de me atrair a atenção. Guardo ele no bolso e vou para o velório.



 Escrito por Fonjic às 12h13 [ ] [ envie esta mensagem ]