Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Lista de Contos de Fonjic
 Arquivo de contos de Fonjic
 Tripas
 Texto Livre
 Spectro Editora
 Bukowski
 John Fante
 Sig Schaitel - tradutor do Bukowski
 Ciberarte
 Atire no Dramaturgo
 Espelunca
 Casa dos espelhos
 Mais livros do Bukowski
 Vulva Museum
 Proselitismo Ateu


XML/RSS Feed

Histórico
 26/08/2012 a 01/09/2012
 28/02/2010 a 06/03/2010
 14/02/2010 a 20/02/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 25/10/2009 a 31/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 09/08/2009 a 15/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 19/07/2009 a 25/07/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 28/06/2009 a 04/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 14/06/2009 a 20/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 31/05/2009 a 06/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 07/12/2008 a 13/12/2008
 30/11/2008 a 06/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 27/04/2008 a 03/05/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 30/09/2007 a 06/10/2007
 23/09/2007 a 29/09/2007
 16/09/2007 a 22/09/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 12/11/2006 a 18/11/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 09/10/2005 a 15/10/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005
 21/11/2004 a 27/11/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 05/09/2004 a 11/09/2004
 29/08/2004 a 04/09/2004
 22/08/2004 a 28/08/2004
 08/08/2004 a 14/08/2004
 01/08/2004 a 07/08/2004
 25/07/2004 a 31/07/2004
 18/07/2004 a 24/07/2004
 11/07/2004 a 17/07/2004
 04/07/2004 a 10/07/2004
 27/06/2004 a 03/07/2004
 20/06/2004 a 26/06/2004
 13/06/2004 a 19/06/2004
 06/06/2004 a 12/06/2004
 09/05/2004 a 15/05/2004
 25/04/2004 a 01/05/2004


 
Uretrite: contos de Fonjic
 

Lógica euclidiana

            Estava eu lendo o tijoladas do mosquito, que é o blog mais processado e censurado dos últimos tempos, e pensando nessa nossa vida republicana. O blog faz parte de uma verdadeira transformação cultural em que os sujeitos deixam de ser espectadores passivos das notícias filtradas e podem eles mesmos postar, debater, denunciar, tomar a palavra e ouvi-la. É a Ágora ateniense versão digital, por isso mesmo é o verdadeiro horror dos políticos que querem a censura a todo custo.

            É talvez a chance de fazermos nossa república começar a ser república e nossa democracia se tornar mesmo democracia. Há cem anos atrás, num triste quinze de agosto de 1909, morreu assassinado um dos maiores entusiastas da nascente república, Euclides da Cunha, que logo se decepcionaria com o rumo das coisas, incorporando velhos clientelismos da monarquia ao invés de os abolir. Ponto alto da expressão de Euclides da Cunha é quando ele, em protesto contra a monarquia, se adianta entre os demais alunos da academia militar e quebra a própria espada na frente do ministro da guerra.

            A República veio, mas os velhos senhores coloniais continuaram mandando. A igualdade também não veio, ficou no papel, com os pobres sendo despejados à força para a periferia, na criação das favelas. O judiciário que deveria atender igualitariamente a todos, independente de raça ou credo, ainda hoje ostenta símbolos religiosos nos tribunais, atentando contra a separação entre o público, o Estado, e o privado, a crença religiosa, o que motiva inúmeros processos, o mais recente do ministério público federal contra o judiciário paulista.

            A versão oficial de que Euclides da Cunha morreu num duelo com o amante de sua esposa ainda hoje é contestada pela família. Os descendentes argumentam que não houve duelo algum, pois o amante havia sido avisado que Euclides ia à casa dele e, junto com seu irmão, se postaram armados e escondidos na casa, esperando que Euclides entrasse para ser morto sem chance de reação.

            Não se tratou então de um romântico duelo de pistolas, como quer nosso anedotário nacional, mas sim de uma emboscada em que a vítima foi executada sem chance de reação.

            Euclides morreu como viveu, de forma dramática. É um caso formidável de como a vida e obra se misturaram, imaginação e realidade é inseparável nos seus relatos de guerras e expedições. Mais ainda, espelhou o destino de nossa pobre república, emboscada e assassinada sem chance de reação logo ao chegar.



 Escrito por Fonjic às 13h11 [ ] [ envie esta mensagem ]